segunda-feira, 29 de maio de 2017

imprimir na BB

https://www.dropbox.com/s/jzsd8zactzx6s1x/equacoes_P1.pdf?dl=0

sábado, 18 de março de 2017

Impressões: O gigante enterrado, de Kazuo Ishiguro


O ano está sendo lento para leituras, mas a qualidade está proporcional à vagareza, então é com muita alegria e SATISFAÇÃO que escrevo sobre esta maravilha chamada O gigante enterrado, de Kazuo Ishiguro.



Uma terra marcada por guerras recentes e amaldiçoada por uma misteriosa névoa do esquecimento. Uma população desnorteada diante de ameaças múltiplas. Um casal que parte numa jornada em busca do filho e no caminho terá seu amor posto à prova — será nosso sentimento forte o bastante quando já não há reminiscências da história que nos une? Épico arturiano, o primeiro romance de Kazuo Ishiguro em uma década envereda pela fantasia e se aproxima do universo de George R.R. Martin e Tolkien, comprovando a capacidade do autor de se reinventar a cada obra. Entre a aventura fantástica e o lirismo, O gigante enterrado fala de alguns dos temas mais caros à humanidade: o amor, a guerra e a memória.


A sinopse resume bem a premissa do livro, embora seja uma patifaria isso de fazer alusão a Tolkien e Martin. Pegadinha de marqueteiro com altíssimo potencial de decepcionar o leitor que compra por conta dessa suposta similaridade, bem como o adjetivo de "épico arturiano". Malandragens de lado, a história segue um casal de velhinhos, Axl e Beatrice, numa viagem em busca de melhores condições para viver, na aldeia do filho.

A narrativa não é linear; volta e meia o texto muda para uma cena do passado dos personagens, ou para recontar o presente de uma perspectiva diferente. A princípio estranhei a obra, pois tudo era desconectado da narrativa principal, mas quanto mais a leitura avançava, mas sentia que as cenas e principalmente o recurso literário iam se adequando. Próximo ao final eu fiquei perplexo em perceber que o tema principal do livro, a importância da memória na psique humana e coletiva, estava retratada também na maneira de contar a obra, fazendo o leitor exercitar sua própria memória ou cair na confusão que aflige os personagens do livro. A voz narrativa não é uniforme, e pode passar de primeira para terceira pessoa, dependendo da cena.

A escrita foi a única coisa que me deixou decepcionado, porém em pouquíssimos casos pontuais. No geral, a escrita tem uma leveza contemporânea que equilibra bem as descrições, narrações de ações e dilemas emocionais, sendo esse último o que é enfatizado com mais frequência. A minha estranheza foi de encontrar, principalmente no primeiro terço do livro, frases de extremo mal gosto. Isso acontece umas oito vezes durante o livro; é pouco, mas são frases tão atropeladas que causam uma espécie de cacofonia aguda impossível de deixar passar. Em todas as vezes que elas apareceram, eu acabei interrompendo a leitura por alguns minutos, principalmente por meu interesse no autor ser o elogiadíssimo trabalho dele na parte da linguagem. Confesso que, por esses casos surgirem tão mais no começo do livro, cogitei repensar minhas expectativas para a leitura. De qualquer modo, deixo aqui algumas das frases que marquei durante a leitura. Como pode-se observar, as frases de maneira alguma são longas e mesmo assim a quantidade de orações formam um entulho horrendo na composição, o que poderia ser facilmente melhorado com cortes e substituições básicas.

"Essa seria a imagem que Axl e Beatrice veriam logo abaixo quando pararam para recuperar o fôlego, enquanto desciam a encosta."

"Mais cedo naquele dia, antes de eles chegarem ao mosteiro, o garoto já os tinha deixado boquiabertos com a rapidez com que conseguia cavar a terra com duas pedras chatas que encontrara por acaso lá por perto."

"Quando esta minha febre passar, nós vamos subir essas colinas e eu aposto que você vai descobrir que o próprio céu estará te sussurrando que caminho seguir até que cheguemos diante da toca da dragoa.”


Os personagens são poucos, mas incrivelmente bem caracterizados. As posições que cada um assume na trama são também facilitadores de conflitos, e a interação entre eles não deixa de ser instigante nem quando tudo parece que vai correr de maneira pacata e desinteressante. Abaixo deixo uma citação de diálogo entre o guerreiro e o menino.

“Se eu cair e você sobreviver, me prometa que vai carregar no coração um ódio infinito aos bretões.” “Como assim, guerreiro? A que bretões?” “A todos os bretões, jovem companheiro. Até mesmo aos que forem gentis com você.” “Não estou entendendo, guerreiro. Eu devo odiar até mesmo um bretão que divida o pão dele comigo? Ou que me salve de um inimigo, como fez há pouco o bom sir Gawain?” “Há bretões que atraem o nosso respeito e até mesmo o nosso amor, eu sei disso muito bem. Mas há coisas maiores pesando sobre nós agora do que o que cada um pode sentir um pelo outro. Foram bretões sob o comando de Arthur que chacinaram o nosso povo. Foram bretões que levaram a sua mãe e a minha. Nós temos o dever de odiar cada homem, mulher e criança que carregue o sangue deles. Então me prometa isso: se eu cair antes de transmitir a você as minhas habilidades, prometa que vai alimentar bem esse ódio no seu coração. E se algum dia ele bruxulear ou ameaçar morrer, proteja-o com cuidado até que a chama volte a arder com intensidade de novo. Você me promete isso, jovem Edwin?”

O que gostei:
Tudo.

O que não gostei:
As raras frases de formulação pobre.

Considerações finais:
O gigante enterrado foi uma leitura maravilhosa. Não oferece muitos aspectos tradicionais na proposta de literatura de fantasia, mas não deixa de ser uma jornada brilhante, comovente e edificadora. É possível perdoar um erro sem antes esquecê-lo? Leia a obra e decida. O que posso dizer com certeza é que eu nunca me esquecerei dessa leitura fantástica!


Gostou da indicação? Você pode comprar aqui: http://amzn.to/2nCXmRO
Comprando pelo link, eu receberei uma porcentagem da venda.














domingo, 8 de janeiro de 2017

Impressões: A Menina - Uma vida à sombra de Roman Polanski, de Samantha Geimer



The Girl: A Life in the Shadow of Roman Polanski
Indo muito além das manchetes, A menina: uma vida à sombra de Roman Polanski revela uma garota de treze anos que era ao mesmo tempo muito mais esperta do que sua idade e, mesmo assim, terrivelmente vulnerável e ingênua. Mas, ao contar sua história completa pela primeira vez, Samantha reclama sua identidade, e indelevelmente prova que é possível ir de vítima a sobrevivente, da confusão à certeza, da vergonha à força.

A menina é um livro cheio de altos e baixos, com viradas e piruetas entre eles. Comecei porque estava afim de ler uma não-ficção, e como era o que eu tinha à mão, acabei lendo unicamente para não ter que gastar dinheiro comprando uma biografia de alguém que conheço. Digo isso porque não conhecia a autora, nem sequer conhecia o pivô de tudo, Roman Polanski. Mas era o que tinha para hoje, então li. 

O livro conta a versão da autora sobre partes da sua vida envolvendo o caso de estupro que sofreu na mão do diretor de cinema e pormenores não tão relacionados assim com o evento. Achei interessante o livro pela sua naturalidade narrativa, até mesmo no início, antes do relato do estupro, o que me fez lembrar que até a mais banal das histórias cotidianas pode ser interessante. O estilo de escrita é inexistente; de fato, a escrita é praticamente uma transcrição de discurso oral, quase vulgar. O aparecimento de recortes de jornal ou de documentos do processo no texto do livro destoam, mas isso não influencia muito na percepção do livro enquanto obra literária, muito pelo contrário. Por conta deles, o livro acaba sendo ainda menos literário (no que tange à arte), mas em nenhum momento achei que essa fosse a aspiração da autora. 

O destaque, na minha opinião, é o posicionamento da vítima sobre o crime de estupro. Fiquei chocado com o que li no livro, e após uma análise interna, entendi o porquê. De uns anos para cá, algumas pautas políticas acabaram norteando a produção de conteúdo de entretenimento, e o tema "estupro" foi levado junto com isso. Hoje em dia ele se tornou um tabu muito grande (na literatura, em especial, é até razão para revolta e textão no blog), e a leitura do livro me alertou para o fato de eu ter sido sugado para essa corrente de pensamento comportamento. Ver um caso (que aconteceu na vida real, ainda por cima) em que uma vítima de estupro não coloca o crime como a coisa execrável, repudiante e hedionda que normalmente eu vejo em 100% dos posts/artigos de opinião na internet que abordam o tema, teve o mesmo efeito de um soco na cara. Eu poderia vir aqui e dizer que o livro foi uma perda de tempo, enquanto leitura de lazer, mas essa libertação que ele me trouxe foi muito engrandecedora. Agora eu consigo pensar no tema com a complexidade que ele exige, saindo da bitolagem na qual eu me encontrava, rotulando representação de estupro como humanizado ou não, favorável ou não para o debate público sobre o tema, e outros tantos chavões que acabei repetindo quase que por osmose.

O livro é dispensável, não acho que alguém PRECISE ler, a não ser os fãs do diretor ou pessoas que tenham se interessado pelo caso que se arrastou na justiça americana por décadas. De uma forma ou outra, ainda é mais útil que certas bobagens aclamadas na literatura de fantasia que eu vinha admirando, desprezando ou querendo ler, mas que não passam de enlatados produzidos em massa seguindo as mesmas fórmulas estruturais. 



O livro pode ser adquirido através do link abaixo, e eu receberei uma porcentagem da venda: